Descobrindo Bantu

Quanto mais fico sabendo sobre a filosofia e cultura dos povos bantu, mais encantada fico. Obvio que a filosofia destes povos vai muito além das simples citações que destaquei aqui. E o motivo do destaque é o respeito que se tem às práticas artísticas/artesanais. Li em algum lugar em minhas pesquisas, que para os povos africanos, as pessoas que produzem peças, sejam de qual material forem, são muito respeitadas por todos, por acreditar-se que esta pessoa é detentora de uma conexão direta com os mestres antepassados. Toda arte é feita em nome de algo maior. E há uma simbologia em tudo.

“Segundo a filosofia bantu, o mundo é uma hierarquia de forças: ordem, desordem, caos, energia e os homens são capazes de manipular todas essas forças, necessitando para tal, de certos suportes materiais.”

Do livro: Arte Africana & Arte Afro-Brasileira / Autoras: Dilma de Melo Silva e Maria Cecília Felix Calaça / p. 34

“Todo ser humano constitui um elo vivo na cadeia das forças vitais: um elo ativo e passivo, ligado em cima aos elos de sua linhagem ascendente, e sustentando abaixo de si, a linhagem de sua descendência. Consoante esses princípios, todos os seres vivos e mortos, se inter-relacionam e influenciam. E a influência da ação de forças tendentes a diminuir a energia vital se neutraliza através de práticas que façam interagir harmonicamente todas as forças criadas e postas à disposição do homem pelo Ser Supremo. Na África e na Diáspora: Afirmando a existência entre os povos estudados, de uma filosofia fundamentada numa metafísica dinâmica e numa espécie de vitalismo, o livro do padre Tempels fornece a chave da concepção tradicional concepção de mundo entre boa parte dos povos negro-africanos. Nela, a noção de força toma o lugar da noção de ser e, assim, toda a vida é orientada no sentido do aumento dessa força e da luta contra a sua perda ou diminuição. Integrado no jogo de forças completas, o africano está permanentemente se defendendo contra as forças destrutivas, colocando a seu serviço a energia dos objetos, dos animais, dos vivos e dos mortos, a fim de se preservar e crescer como indivíduo.”

Do livro: Diáspora Africana / Autor: Nei Lopes / p. 529

Entre tantas possibilidades, foi olhando algumas imagens do livro “Africa Adorned” que despertaram ideias para usar o que tinha próximo a mim para criar adornos carregados de força e sensibilidade.

Angela Fisher_Africa Adorned
Do livro: Africa Adorned / Autora: Angela Fisher
Angela Fisher_Africa Adorned
Do livro: Africa Adorned / Autora: Angela Fisher
Angela Fisher_Africa Adorned
Guerreiro da tribo Maasai, no Kenia. Fotografado na década de 1970 por Angela Fisher

No caso, o que estava próximo não eram exatamente materiais extraídos diretamente da natureza, mas alguns como retalho, descartados pelo homem, e prontos a se transformarem em outra coisa.

Comecei com o arame fazendo vários arcos para serem usados como um colar. Desta forma, o colar é composto de quatro arcos de tamanhos variados.

colar woman_sannalber®

colar woman_sannalber®

colar kolokota 1_sannalber®

Com retalho, linha de crochê e arame foi feito este colar. O qual eu imprimi a simbologia de coragem nele para quem usar. Pode ser usado tanto por homens quanto mulheres.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

DIY não é tão simples assim

pensativa
Depois de ler a matéria “Escrava da Moda” no site da revista Vice, um comentário após o texto foi o que provocou a reflexão que me deu vontade de escrever.
A matéria mostrava como uma garota que mal sabia costurar, cumpriu o desafio de criar peças de roupa a partir de materiais (sem utilidade) ao seu redor, e usar em seu dia a dia.
A garota é Kara Crabb e ela se deu muito bem dentro do estilo dela. E contou (do jeito dela também) como foi a experiência. Por causa do humor ácido que percorre todo o texto, o que dá a entender é que a finalidade da matéria era somente mostrar como foi a experiência em si, e o título não passava de mais uma pegadinha irônica, que acabava fazendo pensar que ela pretendia mostrar uma ação sustentável.
E graças à interatividade tentadora que a internet permite, assim tão a sangue quente logo ali após o texto, é o que a meu ver faz muitas pessoas soltarem comentários equivocados, desnecessários, e muitas vezes grosseiros a troco de nada. Enfim. Eu não tenho mania de comentar tudo que leio, mas tenho a de ler os comentários feitos. Vi que algumas pessoas mostraram aprovação com comentários superficiais, outras que criticavam alguns pontos válidos, como algumas bobagens e contradições no texto, e outras avaliando a atitude dela como se ela fosse uma profissional da moda. Mas o comentário mais pertinente foi o que apontou que o estilista precisa ter uma disciplina rígida, a ficar mostrando soluções simplórias e que funcionam mal. E no que se refere a este tema, os exemplos mostrados por Kara fazem entender que realmente o “Do It Yourself não é tão simples assim”.
Concordo inteiramente. E é esse algo mais nessa funcionalidade é o que busco. Me identifiquei e não me sinto culpada por não estar mais customizando tanto e escrevendo pouco aqui no blog. Até porque entendi há um tempo que culpa não ajuda em nada, mas ao contrário! Tenho que aceitar o processo pelo qual passei pois o passado não dá pra mudar. Tenho apenas a consciência do que faço com meu tempo hoje, e de que forma construo meu conhecimento para ser cada vez mais assertiva em minhas propostas.


Estes são desenhos que fiz das fotos da matéria. Colori apenas as peças feitas por ela.

Musas!!!

Musas, vocês me inspiram!

Montei este painel buscando fotos de mulheres que têm um estilo que eu admiro e que me representam!

Estas são somente algumas delas, que estão chamando mais minha atenção atualmente. Erykah Badu, sempre maravilhosa com seu biotipo esguio, seu olhar sereno e autoconfiante, e com uma atitude de moda que me faz suspirar! Nathy Mc, que particularmente admiro mais sua atitude do que seu estilo em si, mas que mereceu estar aqui por ser construtora de sua beleza que traz o brilho e a ousadia de sua personalidade. Karol Conká, muuuuuito estilo!!!! Além das meninas e mulheres não famosas, mas que chamam a atenção e fazem a diferença por onde passam!

musas-publico

Durante essa busca encontrei o evento que a marca Boutique de Krioula está realizando na Matilha Cultural neste sábado 14/12. Pena que não poderei ir, mas fico no aguardo dos próximos! Precisa fazer a inscrição, é só clicar aqui.

workshop de turbantes

 Beijos!

Nutrição Estética

Há alguns anos ouvi este termo em uma formação pedagógica com foco em artes, e depois descobri em design que isso é a busca por referências.

Nutrição estética é salvar novos arquivos de imagens e sons no hd da nossa mente, para acessá-los quando for necessário.

Hoje, numa linguagem mais poética, penso em alimentar a alma com arte diariamente. Mas isso por si só é muito amplo. Não há nem mesmo consenso sobre o que é arte…

Vou trazendo para meu universo pessoal não somente o que me emociona, mas o que me provoca a produzir.

E o que me motivou a escrever este texto, foi a percepção dessa diferença. Um exemplo é ir à uma exposição, onde são usadas diversas ferramentas de comunicação para aguçar os sentidos do expectador, a fim de que mergulhe no universo do que está sendo mostrado. Ele se sente provocado e automaticamente passa a fazer links com suas próprias ferramentas de comunicação, a fim de impactar outras pessoas. Obvio que isso não é uma regra geral. Nem todos pensam nesse sentido. E é possível que algumas pessoas passem indiferentes a todos estes recursos de comunicação. No entanto falo das pessoas que necessitam criar em seu dia a dia. E esta é a parte mais interessante, mas é o hábito que a faz eficiente.

É muito mais fácil e cômodo permanecer passivos diante do conhecimento. Porém somente o conhecimento aplicado ou multiplicado é vivo! Ainda não descobri se depende mesmo da arte que é mostrada, do quanto ela é provocativa, ou se do momento do contato, que trará a vontade dar continuidade àquela expressão. Até porque o quanto é provocativa dependerá de como o que vejo se encontra com o que sinto. Então, a solução é criar o hábito de produzir interpretações o máximo que puder!

Oficina na Anhembi Morumbi

Aconteceu no dia 24/10 a oficina de Customização e reaproveitamento de roupas e acessórios fazendo parte da programação da semana do 4º Encontro Interdisciplinar da Escola de Artes, Arquitetura, Design e Moda.

Participaram estudantes de design e de negócios da moda de diferentes períodos, cada um com suas ideias, sua bagagem e seu diferente interesse e vivência relacionada a customização e moda sustentável. O Encontro foi interessante para conhecermos como cada um entende e se interessa por estes segmentos, e trocamos várias ideias. Embalados por estas conversas, a turma customizou peças e produziu acessórios a partir dos materiais apresentados, mesmo algumas pessoas insistindo em dizer que não tinham habilidade em trabalhos manuais. Mas no fundo quando nos propomos a participar de um workshop ou oficina, estamos nos dando a oportunidade de experimentar. E o resultado pode surpreender!

Assim eu conheci um pessoal muito gente boa pra fazer parte do meu networking.

oficina na anhembi

E se você também tem interesse por esta temática, vamos promover outros encontros, em outros lugares, pra nos encher de disposição e autoconfiança para ir além neste cenário que ainda é tão pouco explorado e por isso mal julgado por muitas pessoas.

O desafio é esse! Se joga meu povo!

Um abraço

Oficina de Customização na Anhembi Morumbi –errata–

No post anterior publiquei que seria na sala 43 do campus Morumbi.

Hoje saiu a divulgação e vi que na verdade é na 53.

A oficina é gratuita e destinada aos alunos da universidade, de todos os campus.

Pessoas de fora, somente com prévia autorização.

image001

Como a divulgação no pdf enviado aos e-mails do alunos saiu com alguns erros, não escolham por lá.

Indo direto ao link das inscrições, é possível encontrar esta oficina corretamente.

Apenas é importante lembrar que é preciso levar a peça que deseja customizar.

Na dica de hoje, compartilho esta ideia da Anneorshine com sapatos.

Uma maneira muito simples de trazer informações de tendência para uma peça que você já tem há algum tempo.

E em caso de outras dúvidas, entrem em contato comigo via comentários aqui.

Obrigada,

e até lá!

🙂

Oficina de Customização no Encontro da Escola de Arquitetura, Artes, Design e Moda

Quinta-feira, dia 24 de outubro, às 19:30h será a vez da oficina de Customização integrar a programação do Encontro da Escola de Arquitetura, Artes, Design e Moda 2013.

Este evento ocorre anualmente na Universidade Anhembi Morumbi, a fim de promover a integração dos cursos. É preparada uma semana de programação com oficinas e atividades diversas.

image001

Em 2011 participei da oficina sobre curadoria de arte na Casa da Xiclet, com a própria, foi muuuuuito legal!!!!!

Em 2012 fiz a oficina de tipografia com a Carla Gibin, que deu várias dicas ótimas!

Enfim. É sempre uma oportunidade de conhecer pessoas legais e aprender algo.

Este ano fiz questão de participar ministrando uma oficina de customização, pra poder falar de sevirologia na moda, que é quando você procura por meio dos recursos que tem, ter acesso a algumas peças que são objetos de desejo. Como Evelina Barry ilustra perfeitamente neste vídeo tutorial:

Sou fã do trabalho dela! Pra mim, ela é uma seviróloga porque desenvolve covers das peças que gosta, e passa a técnica para seu público pela internet. Atualmente as pessoas sugerem novos tutoriais pelo twitter. Inspirador!

Essa foi a dica de hoje. Até o dia 24 irei postando outras ideias que poderemos fazer na oficina.

Até lá!!!

🙂