“Pourquoi autant de mots?”

Intro

Insight em tempo real!
Pensando sempre na direção do objetivo, atentando à mala do conhecimento, que trazemos conosco de nossas experiências, é preciso seguir!
Eu sabia que esse desafio ia me provocar coisas grandes.
Tô deixando fluir.
Porque é isso.
O desafio da vida!
Fluir!
Que paradoxo, não?!
Pourquoi autant de mots?” Trouxe esse insight pra mim!
(C** Talita, mas você só fala com esses estrangeirismos aí!!! Qui coisa mitida!)
Dá trabalho falar, né?!
Mas eu gosto de ser assim, sem fronteiras!

Intro 2

Gente, eu passei a vida escrevendo.
Tenho surtos de ficar escrevendo compulsivamente só pra colocar a mente nos trilhos.
Se eu tivesse salvado todos os blocos de notas que eu escrevi nas centrais de call center que eu trabalhei aí na vida, eu certamente já teria um livro bem gordinho.
E antes dos meus dedos bailarem pelos teclados, eu escolhia cuidadosamente papéis, cores de canetas e afins decorativos, para expressar minha angustiada alma de artista que se sentia limitada o tempo todo.
Fazia isso nas páginas dos meus diários. Alguns tenho até hoje.
Ao falarmos de nós mesmos, aprendemos muito!
E como o tempo dá um contorno prismático aos fatos, sempre veremos tudo por uma ótica diferente!
(Quem tem astigmatismo e miopia me entende mais ainda)
Isso dentro de uma mente observadora, mostra mais elementos da situação que possam ter passado despercebidos em outra época. Vai rolando um despertar à medida que você se mantém concentrado/a e avalia.
E hoje eu vejo que avaliar as coisas depois que passa um tempo, nos dá elementos a mais, que contribuem para um julgamento mais amplo de cada situação. Quanto mais tempo passado, mais elementos. O esquecimento vem puxando fios da trama do tecido do acontecimento, e faz com que quando se olhe novamente, o mesmo já contenha uma nova estampa. Assim somos beneficiados pelo esquecimento. É usar uma mesma experiência para aprender mais vezes com ela. É no mínimo muito rico pra ajudar a continuar vivendo no papel de protagonista. Penso que se me distraio, passo tempo sendo coadjuvante, ponta, e até figurante da minha própria vida. Cada um pode optar onde quer estar. Pessoalmente, hoje, prefiro estar ao mesmo tempo no lugar de expectadora assistindo a parte protagonista. Que sou eu também! Tá dando pra entender?

Intro 3

Decidi começar a escrever digitado.
Ainda escrevo bastante em papel.
(Vou confessar que to numa paixãozinha pela minha letra do momento. Ela tá muito gata! Muito charmosa.)
Isso foi depois de tirar a foto da página do livro de sugestões de estripulias, pra fazer o compartilhamento do desafio #30ideiasEm30dias no Instagram.
Digitando a legenda, o comichão do textão foi subindo pelo meu braço e eu parei. Pronto, vou escrever no blog! Já tem tanto tempo! Já tinha dado vontade de escrever durante a semana…
E durante a semana eu me questionei o quanto eu tava conversando só digitado no WhatsApp. São muitas palavras!
Minha voz também quer sair.
Só que é diferente, né!
O raciocício de quando se fala e de quando se escreve acontece diferente.
Numa fala, a gente tem que estruturar o pensamento numa constante em que não se volta atrás pra corrigir. E dentro da cabeça tem outros barulhos pra se passar por cima num ritmo que a comunicação falada pede.
[…pausa para revisão de texto]
(A conclusão da pausa foi: “Foda-se! Vou continuar escrevendo mesmo. Sem censura”)
O legal é fluir! Escrever fluindo também!
E nesse momento se aplica porque escrevo pensando em pessoas amadas!
Por você estar lendo até aqui, COM CERTEZA você é uma! Não importa se eu te conheça ou não. Eu amo quem se interessa por mim. Pela minha história, pelo que eu tenho a compartilhar. Lidando portanto com meus defeitos. Como usar muitas palavras por exemplo.

Intro 4

Só que se você chegou até aqui na leitura de um texto de blog, ufa!
Parabéns guerreiro/a!
Espero que você tenha vindo gingando por entre essas linhas, porque eu quero conversar com você!
Saber dos nossos pontos em comum, e dançando no ritmo de nossas vidas, aprender um com o outro!
E eu vou escrever sem separação de gênero (normalmente escrevendo, na frase acima eu colocaria “o/a” ou “a/o”) porque quando eu falo para um grupo de pessoas eu falo assim. Então só pra fluir, tá?!
E justamente!
Sem me preocupar agora em ser rápida, (preciso explicar isso, ora!)
quero escrever como se eu estivesse falando.
Assim eu me sinto como quando converso no WhatsApp! 😀
Haha… mas não! Vou procurar sim exercitar o meu poder de síntese, e colocá-lo na mesma equipe que a intuição.
Pra falar com todos os meus arrudeios quando couber e nos momentos que eu achar necessário, e também ser direta e até rápida como um tweet!
Quando eu quero ser sabichona as frases ficam looooooongas…
Agora chega! Sem intro 5, eu começo o que eu ia contar nesse post.

Pourquoi autant de mots” significa “Por que tantas palavras”.
Gostei de me ouvir falando isso e quis anotar.
O que faço agora com tantas palavras escritas em minha vida?
Agora eu já sei.
Descobri hoje.
E só por ter lido o texto acima, você é testemunha.

Gratidão!

 

 

Anúncios

Oficina na Anhembi Morumbi

Aconteceu no dia 24/10 a oficina de Customização e reaproveitamento de roupas e acessórios fazendo parte da programação da semana do 4º Encontro Interdisciplinar da Escola de Artes, Arquitetura, Design e Moda.

Participaram estudantes de design e de negócios da moda de diferentes períodos, cada um com suas ideias, sua bagagem e seu diferente interesse e vivência relacionada a customização e moda sustentável. O Encontro foi interessante para conhecermos como cada um entende e se interessa por estes segmentos, e trocamos várias ideias. Embalados por estas conversas, a turma customizou peças e produziu acessórios a partir dos materiais apresentados, mesmo algumas pessoas insistindo em dizer que não tinham habilidade em trabalhos manuais. Mas no fundo quando nos propomos a participar de um workshop ou oficina, estamos nos dando a oportunidade de experimentar. E o resultado pode surpreender!

Assim eu conheci um pessoal muito gente boa pra fazer parte do meu networking.

oficina na anhembi

E se você também tem interesse por esta temática, vamos promover outros encontros, em outros lugares, pra nos encher de disposição e autoconfiança para ir além neste cenário que ainda é tão pouco explorado e por isso mal julgado por muitas pessoas.

O desafio é esse! Se joga meu povo!

Um abraço

#Portfólio – Projetos de Design de Moda #1

Desde o início da faculdade, são desenvolvidos em grupo, projetos para serem apresentados para uma banca examinadora ao final de cada semestre.

Estes projetos seguem um formato muito parecido a cada semestre. Normalmente partimos de teorias para chegar a um conceito de criação, desenhar as peças e criar a imagem de moda. Sempre aplicando os conhecimentos apreendidos nas disciplinas do respectivo semestre.

Começo apresentando este que foi o primeiro de todos. Executado em 2010 sob orientação do Prof. Ms. José Neto de Faria.

1º Semestre

Título: A Angústia de um Corpo Destruído

Partindo do estudo do Expressionismo na arte, observamos a história e as características, até escolhermos o trabalho de Lasar Segal como principal referência. O objetivo era criar um volume vestível todo em papel, que desconstruísse a silhueta humana, trazendo como expressão maior, as características do movimento de vanguarda estudado.

Projeto inter 2010. direitos reservados

Projeto inter 2010. direitos reservados

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Projeto inter 2010. direitos reservados

Editorial de Moda

— Projeto do curso de Design de Moda da Universidade Anhembi Morumbi, 7 DEADLY (Daily) SINS, para a revista Dazed & Confused. —

Foi uma grande experiência!

Produção de moda realmente dá tanto trabalho quanto eu pensava! Exige muita atenção, muita concentração, responsabilidade, e entre outras coisas, sobretudo, paixão!

Começo esclarecendo que o nome da revista foi utilizado como estudo para o nosso trabalho, que consistia em estudar o perfil da mídia, no caso, uma revista, criar um briefing, painéis diversos para referência… enfim! Todo o processo e concepção de um editorial de moda incluindo vídeo.

Poderia discorrer aqui sobre toda a reflexão da temática do editorial, mas prefiro poupá-los disso por aqui. Quem tiver curiosidade de saber mais detalhes de como foi feito, pode entrar em contato via comentários ou twitter @sannalber.  😉

O que quero destacar agora é o boneco que eu fiz especialmente para este editorial, para compor a cena que retrata a inveja. Por isso um boneco voodoo. Bem roots, todo costurado à mão.

look

Este foi o resultado:

E o delicioso vídeo:

Capa:

blog Sannalber

Um exemplo de página na revista:

blog Sannalber

Página de créditos:

blog Sannalber

Criar tempo para a mudança

Parei tudo neste momento para publicar um post de reflexão sobre atitude e tempo.

Assim como muitos de vocês leitores, eu também penso ter uma rotina agitada, cheia de compromissos e anseios por fazer mais coisas, melhorar aqui e ali, iniciar novos projetos com amigos que trazem alguma ideia… e uff!.. quanta coisa! Será que vamos conseguir?

(Disse que penso ter, porque existem pessoas que estão aí para nos provar com exemplos, que com foco e determinação é possível agir com jogo de cintura dentro do tempo e chegar aonde se deseja.)

Quando esses anseios não se concretizam, independente dos motivos, isso gera frustração. E acontecendo repetidas vezes, são repetidas frustrações, e é aí que está o perigo.

Não quero ficar nessa negatividade e muito menos na passividade do conformismo de aceitar tudo como está. Por isso defendo o equilíbrio de estar ciente de si e da própria vida. Sabendo enxergá-la de forma ampla, ou seja, ciente de como está administrando o dia a dia, se o que está fazendo, está fazendo com prazer, com olhos para o futuro e satisfação no presente. Isso é avaliação constante. Considero fundamental o tempo de avaliar. E sei também que é impossível estar plenamente satisfeito. Por isso as insatisfações que vejo nessas avaliações, me movem para uma maneira melhor de agir.

Neste momento estou pesquisando para fazer os ajustes que percebo necessários em eu trabalho. Agora ele está com essa cara:

Acessórios Sannalber® 2013
Brincos e Anéis Sannalber® 2013

E acompanharemos aqui este processo que exigirá paciência, já que esse assunto é extenso, e apesar de ser prioridade, concorre com uma porção de outras prioridades!!!!

Boas vibrações a todos nós que somos intensos e temos muita paixão e muito trabalho pela frente!!!

Hugs!

Oficina de Férias – Moda Sustentável

Durante este mês de julho, aconteceu na Acorde a oficina de Moda Sustentável.

Uma atividade que surgiu pela iniciativa de um grupo de alunas de Design de Moda da Universidade Anhembi Morumbi, durante o desenvolvimento do projeto interdisciplinar do quinto semestre.

Nos encontros, foi possível desenvolver de forma livre as ideias que as participantes da oficina traziam de casa, ou viam como referência no material oferecido na oficina; no caso, livros como “99 formas de cortar, costurar, franzir e amarrar sua camiseta, transformando-a em algo especial” “99 formas de cortar, costurar e enfeitar seu jeans” além de “P.S. I Made This”.

Veja algumas produções nesta galeria de fotos!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nova Coleção de Acessórios!

sannalber

………………………………………Sannalber® orgulhosamente apresenta………………………..

                      1ª COLEÇÃO DE ACESSÓRIOS EM COURINO – Em Construção –

Foto0374

Foto0359 aneis-courino

Um trabalho artesanal onde crio a partir do próprio manuseio do material.

As fotos acima mostram apenas parte do que está sendo feito e por enquanto só são encontrados diretamente comigo.

Tenho costume de colecionar objetos que acho que ficariam interessantes compondo um acessório.

Estes objetos unidos a outros materiais de reaproveitamento, dão vida aos acessórios.

Então mergulho nos sentimentos que regem o tema que estou trabalhando e misturo técnicas no modo de fazer.

Tenho courino marrom em mãos por causa de um projeto trabalhado na faculdade no semestre passado, e descobri nele uma textura interessante de recortar e dar novas formas.

Como o objeto de estudo do projeto tratava da tortura aos negros durante a escravidão, não fiz questão de mudar totalmente a leitura do material. Desta forma resolvi recorrer a sentimentos de superação como força, fé, equilíbrio, em complemento à dor abordada no projeto anterior.

No projeto acadêmico foram criadas peças de roupa e acessórios com este material, como mostram as fotos a seguir:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Créditos

Fotos slideshow: Lucas Alves

Modelos: Talita Nóbrega, Bianca Menezes, Dayane Bittencourt

Maquiagem: Mariana Lucila e Gustavo Secundo

Estilo e Direção de Arte: Lais Cordeiro, Talita Sannalber, Lucas Alves

***********************************************

Fotos da primeira parte da matéria: Talita Sannalber