“Heaven” Onde tudo “Já é!”

PQP!!!
São 00:46 e eu tive que escrever isso aqui agora.
Tô com medo, mas sigo em frente.
Com pensamentos sobre a resistência em minha mente,
lembro-me do exercício que eu criei já experimentando-o há algumas horas atrás.
Eu disse a mim mesma com muita firmeza (e em inglês!):

“Taí! Eu tenho um desejo agora! Eu quero ir nesse exato instante, lá no ponto da minha vida onde todos (ou quase todos) os meus desejos do presente estejam realizados! Quero saber o que estou sentindo, o que estou pensando, pra pensar assim agora e nos meus momentos que seguem!”

Fechei os olhos, inspirei profundamente e expirei…e, estava lá.
A música do Jazz Liberators que tocava, falava do que eu sentia. Foi foda! Eu estava entendendo tudo o que estava acontecendo. Estava completamente presente. E com muita firmeza e amorosidade eu disse a mim mesma todo o proceder! Simples e foda ao mesmo tempo.
(…)
E a mensagem final foi FÉ!
Tem músicas na minha vida que vem bater em mim de uma forma diferente só depois de muito tê-la ouvido e cantado.
Aí é gostoso porque eu ouço e canto de um jeito diferente e novo.
Esse é um som que eu ouço desde 1997 (VINTE ANOS, eita p*!!!) !!!!!!!!!!!!
Ou seja, eu era uma criança, gente!
E sentia que eu podia cantar.
Que eu podia ser foda.
Mas não pensava em ser foda como uma vaidade.
Eu queria sentir o prazer de ouvir minha própria voz imprimindo uma personalidade, uma interpretação própria, o navegar dançando na sincronia das notas…
Eu segui por um tempo nesse caminho, e em algum momento que minha mente se recusa há anos a se lembrar, eu simplesmente parei. Desisti.
Ops…
Lembrei o momento agora! (c**!)…
Mas não lembro o motivo…ou quase!
(…)
Droga! Lembrei!
Mas não quero admitir!
É um pouco difícil de acreditar, de tão idiota que é!
Tantos anos reforçando algo que não tem sentido nenhum!!!
Como a mente tem artifícios naturais para nos afastar do que possa ser talvez a nossa maior luz!
O convite hoje é para revisitar nossas crenças limitantes.
Com alguma insistência, paciência e dedicação é possível chegar na raiz onde tudo começou. E então reprogramar tudo.
Onde há uma frase negativa pronta a respeito de algo que amamos/desejamos ser/conseguir, podemos substituir por uma afirmação positiva para nos acostumarmos a ser quem somos longe de julgamentos excessivos.

E o som que eu me referia, é “Heaven” das All Saints.
Parece que a letra dessa música tá falando do que eu vivo hoje.
Essa foi a primeira música que cantei na minha primeira aula de canto.
Em 2002.
Eu tinha 16.
Cantei sem saber.
Só cantei o que sentia.
Parecia que não era eu.
E eu, simplesmente não sei o que aconteceu.

Senti uma tontura agora, como um giro no tempo, e parei aqui de volta escrevendo.
Enfim!
Solto esse texto aqui, e FÉ!
Simplesmente.

Anúncios

Rebeldia e Evolução

Quantas vezes indo pra mais um dia de trampo
com o coração apertado,
sentia a repressão daquelas pessoas
que concordavam em ter suas mentes lavadas
pelas exigências por vezes desumanas do capitalismo,
e eu com tantos sonhos distantes daquela realidade
quase me desesperava querendo saber
como…….de que forma eu iria conseguir……….ter tempo pra sonhar………
me libertar………mas me sustentar……….     ????
Mas eu sabia que conseguiria.
Então eu procurava a paz escrevendo,
e O Rappa, fazendo a trilha sonora, me salvava
com a música que me vinha à mente:

Ô lala, ô lala.. ee
Ô lala, ô lala.. ee

Podem avisar, pode avisar
Invente uma doença que me
Deixe em casa pra sonhar
Com o novo enredo outro dia de folia
Com o novo enredo outro dia de folia

Eu ia explodir, eu ia explodir
Mas eles não vão ver os meus pedaços por aí

Me deixa que hoje eu to de
Bobeira, bobeira

Ô lala, ô lala.. ee
Ô lala, ô lala.. ee

Hoje eu desafio o mundo
Sem sair da minha casa
Hoje eu sou um homem mais sincero
E mais justo comigo

Podem os homens vir que
Não vão me abalar
Os cães farejam o medo,
Logo não vão me encontrar
Não se trata de coragem
Mas meus olhos estão distantes
Me camuflam na paisagem
Dando um tempo,tempo, tempo
Pra cantar

Me deixa, que hoje eu tô de
Bobeira, bobeira
Me deixa, deixa, deixa
Que hoje eu to de
Bobeira, bobeira

Me deixa, deixa, deixa
Que hoje eu tô de
Bobeira, bobeira
Me deixa, ve se me deixa,
Que hoje eu to de bobeira,
Bobeira, bobeira…

Algumas vezes tirei o dia pra ficar “de bobeira”,
inventei doenças,
algumas vezes me dei bem,
algumas me dei mal.
(muito mal)
Mas tomei banho de chuva em tardes de verão,
Tive idéias,
Fiz planos,
Cantei canções,
e tomei decisões!

Não foi rápido. Levou alguns anos.
Ainda não inventaram coragem em cápsulas.
De tanto inventar doenças
adoeci de verdade.
E culminaram em minha vida
problemas, poemas, músicas, sonhos, atestados médicos, meditações e revolta.
O resultado………pedido de demissão!!!
Foi aí que eu comecei na Customização.