DIY não é tão simples assim

pensativa
Depois de ler a matéria “Escrava da Moda” no site da revista Vice, um comentário após o texto foi o que provocou a reflexão que me deu vontade de escrever.
A matéria mostrava como uma garota que mal sabia costurar, cumpriu o desafio de criar peças de roupa a partir de materiais (sem utilidade) ao seu redor, e usar em seu dia a dia.
A garota é Kara Crabb e ela se deu muito bem dentro do estilo dela. E contou (do jeito dela também) como foi a experiência. Por causa do humor ácido que percorre todo o texto, o que dá a entender é que a finalidade da matéria era somente mostrar como foi a experiência em si, e o título não passava de mais uma pegadinha irônica, que acabava fazendo pensar que ela pretendia mostrar uma ação sustentável.
E graças à interatividade tentadora que a internet permite, assim tão a sangue quente logo ali após o texto, é o que a meu ver faz muitas pessoas soltarem comentários equivocados, desnecessários, e muitas vezes grosseiros a troco de nada. Enfim. Eu não tenho mania de comentar tudo que leio, mas tenho a de ler os comentários feitos. Vi que algumas pessoas mostraram aprovação com comentários superficiais, outras que criticavam alguns pontos válidos, como algumas bobagens e contradições no texto, e outras avaliando a atitude dela como se ela fosse uma profissional da moda. Mas o comentário mais pertinente foi o que apontou que o estilista precisa ter uma disciplina rígida, a ficar mostrando soluções simplórias e que funcionam mal. E no que se refere a este tema, os exemplos mostrados por Kara fazem entender que realmente o “Do It Yourself não é tão simples assim”.
Concordo inteiramente. E é esse algo mais nessa funcionalidade é o que busco. Me identifiquei e não me sinto culpada por não estar mais customizando tanto e escrevendo pouco aqui no blog. Até porque entendi há um tempo que culpa não ajuda em nada, mas ao contrário! Tenho que aceitar o processo pelo qual passei pois o passado não dá pra mudar. Tenho apenas a consciência do que faço com meu tempo hoje, e de que forma construo meu conhecimento para ser cada vez mais assertiva em minhas propostas.


Estes são desenhos que fiz das fotos da matéria. Colori apenas as peças feitas por ela.

Oficina na Anhembi Morumbi

Aconteceu no dia 24/10 a oficina de Customização e reaproveitamento de roupas e acessórios fazendo parte da programação da semana do 4º Encontro Interdisciplinar da Escola de Artes, Arquitetura, Design e Moda.

Participaram estudantes de design e de negócios da moda de diferentes períodos, cada um com suas ideias, sua bagagem e seu diferente interesse e vivência relacionada a customização e moda sustentável. O Encontro foi interessante para conhecermos como cada um entende e se interessa por estes segmentos, e trocamos várias ideias. Embalados por estas conversas, a turma customizou peças e produziu acessórios a partir dos materiais apresentados, mesmo algumas pessoas insistindo em dizer que não tinham habilidade em trabalhos manuais. Mas no fundo quando nos propomos a participar de um workshop ou oficina, estamos nos dando a oportunidade de experimentar. E o resultado pode surpreender!

Assim eu conheci um pessoal muito gente boa pra fazer parte do meu networking.

oficina na anhembi

E se você também tem interesse por esta temática, vamos promover outros encontros, em outros lugares, pra nos encher de disposição e autoconfiança para ir além neste cenário que ainda é tão pouco explorado e por isso mal julgado por muitas pessoas.

O desafio é esse! Se joga meu povo!

Um abraço

Oficina de Customização na Anhembi Morumbi –errata–

No post anterior publiquei que seria na sala 43 do campus Morumbi.

Hoje saiu a divulgação e vi que na verdade é na 53.

A oficina é gratuita e destinada aos alunos da universidade, de todos os campus.

Pessoas de fora, somente com prévia autorização.

image001

Como a divulgação no pdf enviado aos e-mails do alunos saiu com alguns erros, não escolham por lá.

Indo direto ao link das inscrições, é possível encontrar esta oficina corretamente.

Apenas é importante lembrar que é preciso levar a peça que deseja customizar.

Na dica de hoje, compartilho esta ideia da Anneorshine com sapatos.

Uma maneira muito simples de trazer informações de tendência para uma peça que você já tem há algum tempo.

E em caso de outras dúvidas, entrem em contato comigo via comentários aqui.

Obrigada,

e até lá!

🙂

Oficina de Customização no Encontro da Escola de Arquitetura, Artes, Design e Moda

Quinta-feira, dia 24 de outubro, às 19:30h será a vez da oficina de Customização integrar a programação do Encontro da Escola de Arquitetura, Artes, Design e Moda 2013.

Este evento ocorre anualmente na Universidade Anhembi Morumbi, a fim de promover a integração dos cursos. É preparada uma semana de programação com oficinas e atividades diversas.

image001

Em 2011 participei da oficina sobre curadoria de arte na Casa da Xiclet, com a própria, foi muuuuuito legal!!!!!

Em 2012 fiz a oficina de tipografia com a Carla Gibin, que deu várias dicas ótimas!

Enfim. É sempre uma oportunidade de conhecer pessoas legais e aprender algo.

Este ano fiz questão de participar ministrando uma oficina de customização, pra poder falar de sevirologia na moda, que é quando você procura por meio dos recursos que tem, ter acesso a algumas peças que são objetos de desejo. Como Evelina Barry ilustra perfeitamente neste vídeo tutorial:

Sou fã do trabalho dela! Pra mim, ela é uma seviróloga porque desenvolve covers das peças que gosta, e passa a técnica para seu público pela internet. Atualmente as pessoas sugerem novos tutoriais pelo twitter. Inspirador!

Essa foi a dica de hoje. Até o dia 24 irei postando outras ideias que poderemos fazer na oficina.

Até lá!!!

🙂

Diferentes Linguagens de Customização Sannalber

A pintura em tecido é minha raiz. É por onde comecei. Esta camiseta foi desenhada toda em caneta pra tecido e costurada em 'X' nas laterais com linha de crochê.
A pintura em tecido é minha raiz. É por onde comecei. Esta camiseta foi desenhada toda em caneta pra tecido e costurada em ‘X’ nas laterais com linha de crochê.
Ainda na pintura, só que com tinta, tem essa técnica que é a do carimbo feito de papel 'metiê'. Esta técnica é eficiente na restauração de algumas peças, pois pode cobrir manhas ou disfarçar um tecido desbotado.
Ainda na pintura, só que com tinta, tem essa técnica que é a do carimbo feito de papel ‘metiê‘. Esta técnica é eficiente na restauração de algumas peças, pois pode cobrir manhas ou disfarçar um tecido desbotado.
Estampa feita em stêncil (parte preta), e a parte amarela foi pintada à mão. As bolinhas na gola foram feitas carimbando com o cabo do pincel. Um toque final pra personalizar.
Estampa feita em stêncil (parte preta), e a parte amarela foi pintada à mão. As bolinhas na gola foram feitas carimbando com o cabo do pincel. Um toque final pra personalizar.
Corta, picota, pinta, aplica. Rabisca, viaja, testa texturas revirando a ponta da tesoura.
Corta, picota, pinta, aplica. Rabisca, viaja. Testa texturas revirando a ponta da tesoura.
Desenhar com linha de crochê e agulha nº16. Também conhecido como bordar. Só que eu bordo livremente.
Desenhar com linha de crochê e agulha nº16. Também conhecido como bordar. Só que eu bordo livremente.
Tal liberdade me levou a criar a Costura Caótica. Um estilo meio costura meio bordado.
Tal liberdade me levou a criar a Costura Caótica. Um estilo meio costura meio bordado.
Cobertura de bordado com pedaço da barra cortada e estampa desenhada com caneta pra tecido.
Cobertura de bordado com pedaço da barra cortada e estampa desenhada com caneta pra tecido.
O tutorial de como fiz esta estampa, eu conto no próximo post.
O tutorial de como fiz esta estampa, eu conto no próximo post! ((( 😉

Oficina de Férias – Moda Sustentável

Durante este mês de julho, aconteceu na Acorde a oficina de Moda Sustentável.

Uma atividade que surgiu pela iniciativa de um grupo de alunas de Design de Moda da Universidade Anhembi Morumbi, durante o desenvolvimento do projeto interdisciplinar do quinto semestre.

Nos encontros, foi possível desenvolver de forma livre as ideias que as participantes da oficina traziam de casa, ou viam como referência no material oferecido na oficina; no caso, livros como “99 formas de cortar, costurar, franzir e amarrar sua camiseta, transformando-a em algo especial” “99 formas de cortar, costurar e enfeitar seu jeans” além de “P.S. I Made This”.

Veja algumas produções nesta galeria de fotos!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nova Coleção de Acessórios!

sannalber

………………………………………Sannalber® orgulhosamente apresenta………………………..

                      1ª COLEÇÃO DE ACESSÓRIOS EM COURINO – Em Construção –

Foto0374

Foto0359 aneis-courino

Um trabalho artesanal onde crio a partir do próprio manuseio do material.

As fotos acima mostram apenas parte do que está sendo feito e por enquanto só são encontrados diretamente comigo.

Tenho costume de colecionar objetos que acho que ficariam interessantes compondo um acessório.

Estes objetos unidos a outros materiais de reaproveitamento, dão vida aos acessórios.

Então mergulho nos sentimentos que regem o tema que estou trabalhando e misturo técnicas no modo de fazer.

Tenho courino marrom em mãos por causa de um projeto trabalhado na faculdade no semestre passado, e descobri nele uma textura interessante de recortar e dar novas formas.

Como o objeto de estudo do projeto tratava da tortura aos negros durante a escravidão, não fiz questão de mudar totalmente a leitura do material. Desta forma resolvi recorrer a sentimentos de superação como força, fé, equilíbrio, em complemento à dor abordada no projeto anterior.

No projeto acadêmico foram criadas peças de roupa e acessórios com este material, como mostram as fotos a seguir:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Créditos

Fotos slideshow: Lucas Alves

Modelos: Talita Nóbrega, Bianca Menezes, Dayane Bittencourt

Maquiagem: Mariana Lucila e Gustavo Secundo

Estilo e Direção de Arte: Lais Cordeiro, Talita Sannalber, Lucas Alves

***********************************************

Fotos da primeira parte da matéria: Talita Sannalber