Oficina de Customização no Encontro da Escola de Arquitetura, Artes, Design e Moda

Quinta-feira, dia 24 de outubro, às 19:30h será a vez da oficina de Customização integrar a programação do Encontro da Escola de Arquitetura, Artes, Design e Moda 2013.

Este evento ocorre anualmente na Universidade Anhembi Morumbi, a fim de promover a integração dos cursos. É preparada uma semana de programação com oficinas e atividades diversas.

image001

Em 2011 participei da oficina sobre curadoria de arte na Casa da Xiclet, com a própria, foi muuuuuito legal!!!!!

Em 2012 fiz a oficina de tipografia com a Carla Gibin, que deu várias dicas ótimas!

Enfim. É sempre uma oportunidade de conhecer pessoas legais e aprender algo.

Este ano fiz questão de participar ministrando uma oficina de customização, pra poder falar de sevirologia na moda, que é quando você procura por meio dos recursos que tem, ter acesso a algumas peças que são objetos de desejo. Como Evelina Barry ilustra perfeitamente neste vídeo tutorial:

Sou fã do trabalho dela! Pra mim, ela é uma seviróloga porque desenvolve covers das peças que gosta, e passa a técnica para seu público pela internet. Atualmente as pessoas sugerem novos tutoriais pelo twitter. Inspirador!

Essa foi a dica de hoje. Até o dia 24 irei postando outras ideias que poderemos fazer na oficina.

Até lá!!!

🙂

Customização no Design de Moda

No terceiro semestre da faculdade tivemos como tema do projeto interdisciplinar, “Design de Moda e Sociedade”. O projeto foi desenvolvido em grupo, e como sempre houve muita troca e aprendizado. Fiquei satisfeita por ter a sugestão de trabalhar com jeans aceita, e aqui eu compartilho um pouco de como foi este processo, por meio das fotos publicadas no link no final deste post, e do texto a seguir:

Muitas vezes, as revoluções no design ocorrem motivadas por mudanças sociais, políticas e comportamentais de um período. Observando este fenômeno, elegemos para um estudo mais aprofundado, a expressão do Art Déco, e nele encontramos o objeto de estudo nos cartazes de jazz dos anos 1920, que nos ofereceu informações visuais e do modo de vida das pessoas naquela época. O movimento Art Déco se manifestou com mais força no período entre primeira e segunda guerra mundial, influenciado por movimentos de vanguarda como cubismo, construtivismo e futurismo entre outros, e com sua expressão, gerou a identidade visual não só da moda, mas da arquitetura, do mobiliário e também das artes gráficas que marcaram os anos 1920 e 1930.

Tendo em mãos estes elementos e refletindo sobre esta realidade, chegamos ao Carpe Diem; uma expressão em latim, divulgada pelo poema “Odes I” (I, 11, 8) do poeta romano Horácio (65 – 8 a.C). Segundo PENNA, (2008 p.165), aponta “…a lição do carpe diem, em sua prática de aproveitar o melhor que a vida oferece sem se preocupar com o amanhã.” Se torna um conceito para o presente projeto.

Sabemos que nos tempos atuais deste século XXI, esta oportunidade de aproveitar um dia inteiro da maneira que mais lhe apraz, é algo muito desejado e para muitos, até um sonho de consumo. Isto devido à elevada necessidade e cobrança para que o ser humano seja produtivo para a sociedade. Desta forma o tempo é destinado em sua maioria ao cumprimento de obrigações, e finalmente o tempo para viver o melhor que a vida oferece é tratado como supérfluo, uma necessidade menor, um luxo.

As pesquisas baseadas no conceito nos levaram a encontrar o tecido chifon poliester+seda, na cor nude, que traz a ideia de naturalidade, e também o denim (jeans), em várias lavagens diferentes. Este último tão presente no dia a dia do nosso público, aparece aqui de forma inovadora num vestido composto por encontros de retalhos em tons contrastantes do mesmo denim, compondo um visual que propõe a sensação de que a roupa conta histórias. Isso é intensificado com a pedraria também em formatos e cores variadas, que foram pesquisadas a encontro do objetivo de demonstrar o valor inestimável do tempo.

Optamos por usar diversos elementos em pedraria, devido ao valor do tempo e sua passagem acelerada na rotina nos dias atuais, passando despercebido pela maioria das pessoas que não têm condições de aproveitá-lo com mais qualidade. Por este motivo, este valor que o brilho traz, não é exibido por completo, aparece sob a camada de tecido do vestido sobreposto, que deixa entrever a resplandecência sem mostrar completamente.

 

Este é o painel que ilustra o percurso de nossa pesquisa e desenvolvimento

O making off completo, e com mais referências, em fotos no link: https://picasaweb.google.com/101806857711897754485/ProjetoInterdisciplinar3Semestre2012

 

Qual é o meu trabalho com _MODA

Customizando
Na exposição “Uma Roupa Que Não Serve Mais”

Moda é cultura.

E é esse lado cultural da moda
que eu busco trabalhar,
trazendo ao grande público
a moda consciente
de forma acessível,
tanto no adquirir quanto no produzir;
de uma moda customizada
que resgata identidades,
ao invés de coisificar
personalidades e sentimentos
supervalorizando o glamour e o ter.
Porque todos somos.
E queremos ser o tempo todo!
Nos pensamentos,
Nas palavras,
Nas ações,
E nas roupas, que são a forma como
nos apresentamos ao mundo.