Revisitando a trajetória

Parecia já ser suficiente.
Eu já tinha feito o exercício de olhar para as coisas que fiz, e então tomar decisões importantes na minha forma de trabalhar.
Que tolice achar que esse exercício seria repetitivo.
Mas quando eu me tornei astronauta, me comprometi a fazer todos os exercícios propostos pela comandante da nave, sem resistência gratuita.

A nave que estou falando, é a Espaçonave, escola de empreendedorismo que tem a Rafa Cappai como comandante. Eu ingressei na tripulação da expedição DecolaLab em maio deste ano (2017).

A missão de olhar novamente para minha vida para perceber capacidades, entre uma porção de outras coisas, foi algo desgastante. E pelo que vi, para outros astronautas também.
Enfrentei a resistência, e cumpri a missão.
(Aliás, ainda falta uma pequena etapa.
Uma lista de 15 pessoas que conheço receberá uma mensagem minha nos próximos dias e espero que me ajudem nisso.)
Bom, o que colhi não se resumiu aos momentos “a-ha” durante a tarefa.
Está sendo algo vivo, como se da árvore que eu colhi essas ideias, ainda estivesse florindo e brotando coisas novas, estimuladas por uma mesma ação!
Por isso recomendo fortemente sempre aproveitar as oportunidades de pensar e falar sobre si mesmo. E até buscar uma experiência mais aprofundada, como uma terapia, um coaching, ou simplesmente uma leitura reflexiva, que te convoque para alguma ação.

Percebo que há muito o que fazer, e por isso é necessário ajustar as prioridades e ordenar as ações.
O que faço aqui com esses textos é apenas compartilhar minhas reflexões e experiências.
É uma forma de responder pras pessoas quando me perguntam o que ando fazendo, ou com o quê estou trabalhando.
Bom gente, eu me sinto agora como quem caminha segurando um balão,
que hora tira meus pés do chão, eu dou uma voadinha com ele, e volto a caminhar na mesma linha.
Sabendo o que quero, mas aberta a todas as possibilidades que estejam sintonizadas com a missão principal!
Esse radar, nós só ativamos exercitando o lado direito do cérebro.
Talvez eu esteja sendo abstrata demais.
Mas vamos ter paciência.
Hoje eu preferi assim.

Beijos!

Anúncios

Descobrindo Bantu

Quanto mais fico sabendo sobre a filosofia e cultura dos povos bantu, mais encantada fico. Obvio que a filosofia destes povos vai muito além das simples citações que destaquei aqui. E o motivo do destaque é o respeito que se tem às práticas artísticas/artesanais. Li em algum lugar em minhas pesquisas, que para os povos africanos, as pessoas que produzem peças, sejam de qual material forem, são muito respeitadas por todos, por acreditar-se que esta pessoa é detentora de uma conexão direta com os mestres antepassados. Toda arte é feita em nome de algo maior. E há uma simbologia em tudo.

“Segundo a filosofia bantu, o mundo é uma hierarquia de forças: ordem, desordem, caos, energia e os homens são capazes de manipular todas essas forças, necessitando para tal, de certos suportes materiais.”

Do livro: Arte Africana & Arte Afro-Brasileira / Autoras: Dilma de Melo Silva e Maria Cecília Felix Calaça / p. 34

“Todo ser humano constitui um elo vivo na cadeia das forças vitais: um elo ativo e passivo, ligado em cima aos elos de sua linhagem ascendente, e sustentando abaixo de si, a linhagem de sua descendência. Consoante esses princípios, todos os seres vivos e mortos, se inter-relacionam e influenciam. E a influência da ação de forças tendentes a diminuir a energia vital se neutraliza através de práticas que façam interagir harmonicamente todas as forças criadas e postas à disposição do homem pelo Ser Supremo. Na África e na Diáspora: Afirmando a existência entre os povos estudados, de uma filosofia fundamentada numa metafísica dinâmica e numa espécie de vitalismo, o livro do padre Tempels fornece a chave da concepção tradicional concepção de mundo entre boa parte dos povos negro-africanos. Nela, a noção de força toma o lugar da noção de ser e, assim, toda a vida é orientada no sentido do aumento dessa força e da luta contra a sua perda ou diminuição. Integrado no jogo de forças completas, o africano está permanentemente se defendendo contra as forças destrutivas, colocando a seu serviço a energia dos objetos, dos animais, dos vivos e dos mortos, a fim de se preservar e crescer como indivíduo.”

Do livro: Diáspora Africana / Autor: Nei Lopes / p. 529

Entre tantas possibilidades, foi olhando algumas imagens do livro “Africa Adorned” que despertaram ideias para usar o que tinha próximo a mim para criar adornos carregados de força e sensibilidade.

Angela Fisher_Africa Adorned
Do livro: Africa Adorned / Autora: Angela Fisher
Angela Fisher_Africa Adorned
Do livro: Africa Adorned / Autora: Angela Fisher
Angela Fisher_Africa Adorned
Guerreiro da tribo Maasai, no Kenia. Fotografado na década de 1970 por Angela Fisher

No caso, o que estava próximo não eram exatamente materiais extraídos diretamente da natureza, mas alguns como retalho, descartados pelo homem, e prontos a se transformarem em outra coisa.

Comecei com o arame fazendo vários arcos para serem usados como um colar. Desta forma, o colar é composto de quatro arcos de tamanhos variados.

colar woman_sannalber®

colar woman_sannalber®

colar kolokota 1_sannalber®

Com retalho, linha de crochê e arame foi feito este colar. O qual eu imprimi a simbologia de coragem nele para quem usar. Pode ser usado tanto por homens quanto mulheres.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Palavra

Maria, na oficina de customização do Projeto Arte Vivida

a palavra

é uma roupa que a gente veste
uns gostam de palavras curtas
outros usam roupa em excesso
existem os que jogam palavra fora
pior são os que usam em desalinho
cores brigando, substantivos em luta
alguns usam palavras raras
poucos ostentam palavras caras
tem quem nunca troca
tem quem usa a dos outros
a maioria não sabe o que veste
alguns sabem e fingem que não
uns nunca usam a roupa certa pra ocasião
tem os que se ajeitam bem com poucas peças
outros se enrolam num vocabulário de muitas
eu adoro usar palavra limpa
tem gente que estraga tudo que usa
com quais palavras você se despe?

********************************************************
Autora: Viviane Mosé

www.vivianemose.com.br

www.usinapensamento.com.br

http://colunas.cbn.globoradio.globo.com/blogdavivianemose/

********************************************************
Vamos brincar com as palavras!
Nos vestir
Nos despir
E observar as sensações.

Qual é o meu trabalho com _MODA

Customizando
Na exposição “Uma Roupa Que Não Serve Mais”

Moda é cultura.

E é esse lado cultural da moda
que eu busco trabalhar,
trazendo ao grande público
a moda consciente
de forma acessível,
tanto no adquirir quanto no produzir;
de uma moda customizada
que resgata identidades,
ao invés de coisificar
personalidades e sentimentos
supervalorizando o glamour e o ter.
Porque todos somos.
E queremos ser o tempo todo!
Nos pensamentos,
Nas palavras,
Nas ações,
E nas roupas, que são a forma como
nos apresentamos ao mundo.